05 de junho de 2020
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

ECONOMIA - 15/04/2020

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, cobra união em meio à crise do coronavírus

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, cobra união em meio à crise do coronavírus

A empresária Luiza Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, comentou os rumos da economia diante da pandemia de coronavírus no mundo e os reflexos no mercado brasileiro. Em entrevista hoje (15) à Rádio Metrópole, a chefe da empresa disse que foi necessário se readequar ao atual panorama da sociedade em meio ao isolamento social.

"Transformamos as lojas físicas e fizemos delas locais onde entregamos os produtos pro cliente que comprou na internet. Foi uma aposta do Magazine Luiza, muitas pessoas achou que estávamos errados e nossas ações despencaram. Depois viram que o cliente é um só e que ele precisa ser atendido globalmente em qualquer rede. O Magazine Luiza sempre acreditou e investiu nisso. Criamos marketplace há quatro ou cinco anos atrás. Já temos 10 mil parceiros que vendem outros produtos através do Magazine Luiza. Tem tudo lá, bebida, roupa e tudo através de parceiros", conta. 

Ainde de acordo com Luiza Trajano, houve a necessidade de investir no base do sistema de compras da empresa. Atualmente, o Magazine Luiza conta com 30 mil empresas parceiras que anunciam e vendem através do portal criado pelo grupo.

"Fomos surpreendidos por um vírus que parou o mundo e que isso pudesse acontecer. Vimos isso na China em dezembro e janeiro e não imaginávamos que iria parar o mundo. Gostamos muito do micro e pequeno empresários. Fazia tempo que nosso sistema tentava desenvolver algo para que o pequeno, que nunca teve uma lojinha virtual, pudesse entrar facilmente. Começamos a ver os autônomos, que são os que na Bahia vendem na feira e no mercadão, e que não tinham como vender e se manter dentro de casa. Foi um tempo recorde", declarou a empresária. 

"Estamos muito felizes em poder oferecer isso em tempo muito rápido. Não paga nada para entrar, apenas uma porcentagem pequena na venda", acrescentou.

Questionada sobre decisões políticas em meio à pandemia, ela reforçou a necessidade de se montar um clima democrático e sem disputas ideológicas para que as pessoas não sejam atingidas diretamente pela crise.

"É um momento de união, não é momento de falar em economia. O negócio é sério, as pessoas têm que vender e lutar também para sair melhor. Mas peço que as pessoas sejam democratas. Democracia é a força dos opostos, em todo lugar do mundo. Mas quero uma trégua agora para que a gente só tenha um partido, que é o Brasil. Fico muito triste de ver briga com governadores e com vice, independente das ideologias e da pequenês. Tudo virou muito fútil em meio ao problema que estamos passando", afirmou.

METRO 1

Enquete

Você acredita que teremos uma vacina contra o Coronavírus (COVID-19) neste ano de 2020?