27 de novembro de 2020
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

TELEVISÃO - 31/05/2019

Guilhermina Libânio recorreu à terapia para se ver em ‘Órfãos da terra’ com collant e short curto

Guilhermina Libânio recorreu à terapia para se ver em ‘Órfãos da terra’ com collant e short curto

“O feminino é muito poderoso. Não à toa, foi reprimido. Nós, mulheres, precisamos nos unir para resgatar essa força”, brada Guilhermina Libânio depois de uma visita à exposição “Mulheres, a hora e a voz — Direitos, conquistas e desafios”, que tem nesta sexta-feira (dia 31) seu último dia em cartaz no Museu da Justiça, no Centro do Rio. Feminista na vida e na ficção, como a ativista Cibele de “Órfãos da terra”, a atriz de 21 anos tem consciência de sua representatividade.

Guilhermina Libânio na exposição 'Mulheres, a hora e a voz'

— Ainda em “Malhação” (2018), o primeiro elogio que ouvi não foi: “Sua personagem é incrível!”, mas “Obrigada por ser uma mulher gorda e estar na TV”. As pessoas só querem ser vistas, ter em quem se espelhar... Se a gente falar de gordofobia na trama, ótimo. Se não falar, também está valendo, porque a imagem diz tudo — analisa a carioca: — Cibele comenta pouquíssimo sobre isso, em “Órfãos da terra”. Ela simplesmente usa o que quer: top com barriga de fora, short curto, batom vermelhão às 8h da manhã... Não está nem aí, sua preocupação é com outras coisas mais importantes.

'Órfãos da terra': resumos de 27 de maio a 1 de junho

'Órfãos da terra': resumos de 3 a 8 de junho

Apesar de já ter postado fotos seminua em seu Instagram, como forma de autoafirmação e protesto à patrulha alheia, Guilhermina confessa que aprende a lidar com suas inseguranças diariamente:

Separados há 22 anos, Eliane Giardini e Paulo Betti vivem casal em 'Órfãos da terra'

Anaju Dorigon, no ar em 'Órfãos da terra', diz estar aberta para o amor: 'Mas não gosto de procurar'

— Acho a nudez linda! E muito política, principalmente quando se é mulher. Se mostro meu corpo é porque quero, posso, sou livre. Quem está nu é muito dono do seu corpo. Ainda mais se ele não se enquadra num padrão. Mas nunca é tranquilo ficar pelada, é tabu, a gente foi criado assim. Então, não é que eu goste de exibir meus defeitos, mas acho necessário. Cada vez que mostro minhas celulites e minhas estrias, eu me preocupo menos em ir à praia de biquíni e alguém fazer uma foto minha desprevenida. Mas é um dilema: metade de mim quer Photoshop, metade não quer.

De collant e short curto na TV: figurino foi levado à terapia pela atriz
De collant e short curto na TV: figurino foi levado à terapia pela atriz Foto: Paulo Belotte/Rede Globo/Divulgação

Ela convive com o sobrepeso desde o início da adolescência:

— Fui uma criança magra. Comecei a engordar com 12, 13 anos. Aos 15, passei a fazer terapia para me entender. Ao mesmo tempo, os movimentos feministas estavam voltando a se aquecer. E eu me encontrei nesse discurso, que é muito nosso e tem que ser. Não existe mulher não feminista. Ela pode até não ir às passeatas, mas é uma delas porque luta para ser quem é e poder fazer as escolhas que quiser. Não tem nada de ruim nisso, ao contrário.

Cibele em manifestação: personagem é ativista
Cibele em manifestação: personagem é ativista Foto: Paulo Belotte/Rede Globo/Divulgação

O acompanhamento psicológico vem sendo importante até para se libertar das neuras com o figurino de Cibele:

— As figurinistas, muito atenciosas, perguntam: “Você tem algum problema em mostrar barriga ou braços? Não usa alguma peça?”. Não tenho, e se tiver eu vou aprender a não ter. Nas primeiras cenas, não era fácil me ver na TV usando collant e short curto. Levei para a terapia e entendi que Cibele é muito mais que um corpo. Ela é muito protagonista da própria história. Sabe falar com gentileza o que precisa ser dito, mas também sabe ser firme. Tem uma inteligência emocional invejável. Eu a admiro. E tenho aprendido com ela a ser um mulherão.

Mostra ‘Mulheres, a Hora e a Voz — Direitos, Conquistas e Desafios’

Museu da Justiça — Centro Cultural do Poder Judiciário: Rua Dom Manuel 29, Centro do Rio. Hoje, das 11h às 19h.

Às 12h: debate “Direitos e conquistas na Constituição de 1988 e desafios nos tempos atuais”, com o ministro do STF Luís Roberto Barroso e a socióloga e cientista política Jacqueline Pitanguy.

Às 15h: visita guiada com Sílvia Monte, curadora da mostra, e Comba Marques, uma das feministas homenageadas no exposição. Entrada gratuita. EXTRA ONLINE

Enquete

Você acredita que teremos uma vacina contra o Coronavírus (COVID-19) neste ano de 2020?

*Enquete encerrada.
  • 16%
  • 30%
  • 55%
  • 0%

Mais notícias