30 de junho de 2022
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

SAÚDE - 27/05/2022

Exame de ressonância magnética é fundamental no diagnóstico da doença

Ouvir a matéria:
 Exame de ressonância magnética é fundamental no diagnóstico da doença

Um levantamento realizado pela Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI) -- gestora de serviços de diagnóstico por imagem em na rede pública -- aponta que, de 2020 para 2021, o número de exames com diagnóstico de esclerose múltipla cresceu 30% na rede pública onde FIDI atua (foram 262 casos em 2020 e 341 em 2021). Até o começo de maio de 2022, a organização fez 88 diagnósticos da doença.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, 2,8 milhões de pessoas vivem com esclerose múltipla no mundo e, no Brasil, aproximadamente 40 mil pacientes são acometidos pela doença.

 

A esclerose múltipla é uma doença neurológica autoimune provocada por mecanismos inflamatórios e degenerativos que comprometem os neurônios do sistema nervoso central. A doença atinge geralmente pessoas entre 20 e 40 anos de idade, predominantemente mulheres, e as causas envolvem predisposição genética com uma combinação de fatores ambientais, como exposição ao sol, tabagismo e obesidade, que funcionam como um “gatilho” para a manifestação da doença.

 

“Existem quatro graus de esclerose, sendo definidos pela quantidade e duração dos surtos clínicos, em que o paciente pode ter a perda de força de um ou mais membros, dormências e/ou formigamentos nos pés, mãos (distúrbios de sensibilidade) e tontura que pode estar associada a náusea, vômitos, tremores, alterações na fala, dificuldade para caminhar e desequilíbrio. Nos graus mais leves, esses surtos podem durar dias ou semanas e desaparecerem, com recuperação completa das possíveis sequelas. Já nos graus mais graves da doença, os surtos são mais frequentes e podem causar declínio neurológico constante do paciente, podendo ou não haver recuperação dos sintomas após os surtos”, alerta Igor Santos, médico radiologista e superintendente de FIDI.

 

Diagnóstico e Tratamento

Os primeiros sintomas da doença são sutis e geralmente desaparecem depois de alguns dias, o que torna difícil o diagnóstico na fase inicial da doença. O paciente pode sentir formigamentos, dificuldade de andar, falta de equilíbrio e visão turva.

 

“O diagnóstico de esclerose múltipla é basicamente clínico, mas já existem exames laboratoriais e de imagem que ajudam a confirmá-lo e a acompanhar o seu progresso. A ressonância magnética (RM) é um exame de imagem fundamental para o diagnóstico da EM, pois permite a visualização das lesões no cérebro e medula espinhal”, explica Igor.

 

Embora ainda não haja cura, há tratamentos eficazes que aumentam as chances de remissão da doença, ou seja, o paciente passa anos sem apresentar sintomas ou surtos clínicos. A esclerose múltipla é controlada com remédios, como os imunomoduladores e imunossupressores e a prática de exercícios físicos e reabilitação auxiliam na melhora da qualidade de vida e de possíveis sequelas.

Sobre a FIDI

Fundada em 1985 por médicos professores integrantes do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Escola Paulista de Medicina -- atual Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) --, a FIDI é uma Fundação privada sem fins lucrativos que reinveste 100% de seus recursos em assistência médica à população brasileira, por meio do desenvolvimento de soluções de diagnóstico por imagem, realização de atividades de ensino, pesquisa e extensão médico-científica, ações sociais e filantrópicas. Com 2.065 colaboradores e um corpo técnico formado por mais de 400 médicos, a FIDI está presente em 77 unidades de saúde nos estados de São Paulo e Goiás, e é a maior prestadora de serviços de diagnóstico por imagem do SUS, realizando aproximadamente 5 milhões de exames por ano, entre ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultrassonografia, mamografia, raios-X e densitometria óssea.

A Fundação também trabalha na proposição de soluções inovadoras para a saúde pública, como o sistema de análise de imagens de tomografia computadorizada por inteligência artificial, e participou da primeira Parceria Público-Privada de diagnóstico por imagem na Bahia. Por duas vezes, a FIDI recebeu o prêmio Referências da Saúde 2019 e 2020, na categoria Qualidade Assistencial, e por três vezes foi medalhista em desafios internacionais de aplicação de inteligência artificial no diagnóstico por imagem, propostos na conferência anual da Sociedade Norte-Americana de Radiologia, considerado o maior congresso do setor no mundo. Ao final de 2020, a Central de Laudos da FIDI obteve a certificação ISO 9001:2015 de Gestão da Qualidade, pela International Organization for Standardization e, em 2021, recebeu o selo de “Excelente Empresa Para se Trabalhar” (GPTW).

 

Contato Imprensa | Máquina CW

 

Melina Lozano


 

Maria Eduarda


 

Tiago Varella

Mais notícias