27 de fevereiro de 2021
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

SAÚDE - 08/12/2020

Brasil terá mais de 185 mil casos de câncer de pele em 2020; 8 mil deles na Bahia

Brasil terá mais de 185 mil casos de câncer de pele em 2020; 8 mil deles na Bahia

Não é por acaso que o último mês do ano, na alta estação, é chamado de Dezembro Laranja e dedicado à conscientização sobre a importância da detecção precoce e tratamento correto do câncer de pele. Tipos mais frequentes de tumores malignos no Brasil, o câncer de pele melanoma e o não-melanoma responderão, juntos, por mais de 185 mil novos casos no país, em 2020, com mais de 4 mil mortes, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Dos novos casos deste ano, a Bahia responderá por mais de 8 mil.

Devido à pandemia da Covid-19, as atividades médicas e cirúrgicas planejadas estão sendo adiadas, o que pode levar a atrasos no diagnóstico e tratamento. “Negligenciar o melanoma durante essa crise poderá resultar em aumento da mortalidade, da morbidade e elevar os custos do tratamento. A chance do diagnóstico precoce e, consequentemente maior taxa de cura, não pode ser perdida”, alerta o cirurgião oncológico Miguel Brandão, coordenador do Departamento de Cirurgia Oncológica da Clínica AMO, cuja campanha deste ano traz como slogan “AMO um Verão com Proteção”.

Um jingle foi gravado com o slogan da campanha, que inclui ainda spot de rádio, plotagem do pedágio do Litoral Norte, distribuição de material informativo nas unidades AMO, outdoor, peças e vídeos educativos para redes sociais.

Tipos do câncer de pele

O câncer de pele pode se apresentar de duas formas: o não-melanoma (mais comum, com cerca de 30% dos tumores malignos registrados no país) e o melanoma, mais grave e representando 3% dos casos. Segundo o Inca, em 2020 no Brasil, serão mais de 8,4 mil casos novos, com mais de 1,7 mortes para o tipo melanoma e 176 mil novos casos, com mais de 2,3 mil mortes para o não-melanoma.

O melanoma tem origem nas células produtoras de melanina e é mais frequente em adultos brancos, podendo surgir em qualquer parte do corpo, na pele ou mucosas, na forma de manchas, pintas ou sinais. Nos indivíduos de pele negra, é mais comum na palma das mãos e planta dos pés. Pela alta possibilidade de provocar metástase, é a forma mais grave. No entanto, nos últimos anos, o diagnóstico precoce e a introdução de novos medicamentos imunoterápicos têm melhorado a sobrevida dos pacientes.

O não-melanoma apresenta altos percentuais de cura, se detectado e tratado precocemente. Entre os tumores de pele, é o mais frequente e de menor mortalidade, sendo mais comum acima dos 40 anos. “Com a constante exposição de jovens aos raios solares, a média de idade vem diminuindo”, como alerta o cirurgião Miguel Brandão. O câncer de pele não-melanoma tem como tipos o carcinoma basocelular (mais comum e menos agressivo) e o carcinoma epidermóide. 

Diagnóstico e tratamento

Evitar a exposição ao sol entre 10h e 15h, quando os raios ultravioletas (UV) são mais intensos, continua sendo um grande aliado na prevenção associada ao uso diário do protetor solar. Além disso, é importante utilizar a proteção física, através de camisas e chapéus com tecidos com proteção contra radiação ultravioleta. Entre outros fatores de risco, os especialistas destacam a exposição a câmeras de bronzeamento artificial e histórico familiar.

Com relação à detecção, o uso do dermatoscópio tem contribuído decisivamente para o diagnóstico e tratamento precoce do melanoma, bem como na melhora nos índices de sobrevida. “O dermatoscópio permite uma visão ampliada da lesão de pele de 6 a 400 vezes, permitindo visualização da derme e epiderme, diferenciando as lesões melanocíticas e indicando quais necessitarão de cirurgia. Para pacientes de alto risco para melanoma, é indicado o Mapeamento Corporal Total, exame realizado por nossa equipe de dermatologistas”, explica Miguel Brandão.

“Vale como alerta o aparecimento de qualquer pinta na pele, que aumente de tamanho, mude de cor, de forma, tenha bordas irregulares, descame e ou provoque coceira”, reforça Miguel Brandão, lembrando da regra ABCDE: assimetria; bordas irregulares; cor variável; diâmetro (maior que 6 mm); e evolução. “Nem sempre, alterações na pele significam câncer, mas precisam ser avaliadas por um dermatologista”, completa Miguel Brandão.

Entre as técnicas para tratamento do câncer de pele, a cirurgia destaca-se como a mais indicada. A depender do estágio, podem ser utilizadas a radioterapia e a quimioterapia. Em caso de metástase – quando o câncer atinge outros órgãos -,  há a opção por tratamentos medicamentosos, que postergam a evolução da doença e aumentam a sobrevida do paciente.Informações por B News

Enquete

Você acredita que teremos uma vacina contra o Coronavírus (COVID-19) neste ano de 2020?

*Enquete encerrada.
  • 16%
  • 30%
  • 55%
  • 0%

Mais notícias