07 de dezembro de 2019
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

MÚSICA - 05/05/2018

Fagner: “Todo artista que se posicionou politicamente, se deu mal”

Fagner: “Todo artista que se posicionou politicamente, se deu mal”

Há 15 anos, Raimundo Fagner e Zeca Baleiro iniciaram uma frutífera parceria musical. O entrosamento das duas gerações de artistas nordestinos resultou em diversas composições de sucesso, um DVD e muitas turnês, dentro e fora do Brasil. Neste sábado (5/5), a dupla volta à versão dueto, com show de estreia da nova fase em Brasília, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, às 21h.

Fagner começou a carreira musical na capital federal, quando ganhou, com Mucuripe, o Festival de Música Popular, em 1971. Desde então, o músico tem em Brasília sua segunda casa. “O começo da minha maturidade foi aí. Tenho família e muitos amigos na cidade. É um simbolismo eu retomar esse trabalho com o Zeca em Brasília. Eu piso aqui e sinto uma energia diferente, estamos no lugar certo”.

Em entrevista ao Metrópoles, o autor de Borbulhas de Amor fala da amizade de longa data com Baleiro. “Eu e ele nos identificamos de cara, rolou uma química espetacular. A nossa relação fluiu de uma maneira fantástica. Em pouco tempo, começamos a compor muito”, diz. Além disso, o artista também opina sobre a nova safra de cantores nordestinos.

DIVUGAÇÃO
DivugaçãoPin this!

“O público nos ensina quais músicas são eternas”

 

No show, cada cantor tocará separadamente com sua banda, mas dividem o palco no final da apresentação. “Devemos executar umas três músicas juntos, umas delas, com certeza, será Dezembro”, conta. Mas o encontro não será feito apenas de antigos sucessos. “Compomos canções novas especialmente para este show. Era para ser apenas uma apresentação, mas acabamos engrenando e, com certeza, vai virar uma coisa maior”, adianta Fagner.

Entre as novidades, está a faixa inédita Noites de Leblon, que será executada, pela primeira vez, no Centro de Convenções. “Nesses últimos dias, nos debruçamos sobre o show, estamos montando o repertório e acabamos tendo inspiração para canções novas”, afirma Fagner. “Fazemos tudo na base do WhatsApp. Ele manda ideias de lá, eu mando de cá, e assim vamos. Temos mais de dez músicas novas. Vamos mostrar algumas em Brasília”, completa Baleiro.

SILVIA ZAMBOM/DIVULGAÇÃO
Silvia Zambom/DivulgaçãoPin this!

“Brasília tem um público culturalmente miscigenado, bonito. Gosto muito de tocar aí”

 

Em comemoração às mais de quatro décadas de estrada, a Sony irá reunir toda a obra do cearense no Spotify e outras plataformas de streaming. “Estou curtindo muito. Em breve, colocaremos música nova lá também. Antes, as novelas ocupavam esse lugar de popularizar as canções”, considera. “Antigamente, os diretores procuravam os artistas para saber o que os músicos estavam gravando, as faixas tinham uma qualidade literária melhor. Hoje, talvez não”, pondera.

Para Fagner, a música é o reflexo do país. “Estamos em um momento tão tenso que as pessoas querem músicas para dançar mesmo, para esquecer”. Segundo ele, a produção musical nordestina atual é muito variada, embora não seja muito do seu gosto. “Tem o forró mais para a garotada, como o Wesley Safadão. Eu não escuto, mas se a juventude quer ouvir, acho bacana. Tem espaço para tudo”, ressalta o cantor de 69 anos.

 

Política
O artista também não se furtou de abordar temas polêmicos, como seu apoio à candidatura de Aécio Neves nas eleições presidenciais de 2014 – atitude que lhe rendeu duras críticas, principalmente após o senador virar réu nas investigações da Operação Lava Jato. “Não tem lado certo, a não ser o do cidadão. Nós perdemos de todos os ângulos. Agora é esperar o país se reerguer”, acredita Fagner.

O compositor lamenta parte do público desmerecer toda a trajetória artística de um músico por discordar de sua opinião política. “Sempre me posicionei, sempre tive e expus minha opinião. Inclusive já fui amigo do Lula. Esse engajamento foi importante para eu construir outras ferramentas como cidadão”, diz. “Infelizmente, nos últimos tempos, todo artista que se posicionou politicamente se deu mal”, completa.

Para o compositor, a divisão do povo entre direita e esquerda tem de acabar. ” O momento é de baixar essa bola de polarização, o desgaste foi tanto que está na hora de estancar essa sangria,”, ressaltou, conscientemente ou não, repetindo o trecho do famoso áudio vazado entre Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, ambos investigados pela Lava Jato. “Os artistas também devem sair de cena e deixar os políticos se organizarem”, conclui.

Fagner e Zeca Baleiro “Juntos”
Neste sábado (5/5), a partir das 21h, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães (Eixo Monumental). Ingressos variam de R$ 100 (poltrona superior) a R$ 250 (poltrona VIP). Valores referentes à meia-entrada e sujeitos a alterações sem aviso prévio. Informações: (61) 3364-2694. Não recomendado para menores de 14 anos

 METRÓPOLES

Enquete

Você concorda com a reforma da previdência?

*Enquete encerrada.
  • 3%
  • 24%
  • 74%