17 de agosto de 2022
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

JUSTIÇA - 19/07/2022

"O amor cura": jovem conta experiência em programa de apadrinhamento no AP

Ouvir a matéria:

“Cheguei ao lar com 13 anos e me sentia um tanto desamparada. Mas posso dizer que o amor cura, pois quando conheci meus padrinhos pude ver o quanto são pessoas especiais e contribuem para o meu desenvolvimento”, conta a jovem Cláudia Leonarda Alfaia Mendes. Hoje com 18 anos, completados no último dia 29 de junho, a jovem passou a viver com o casal de padrinhos Jackson Ferreira Pereira e Natália Lima Bezerra e ganhou um novo irmão mais novo, Isaque, de 9 anos.

Servidora do INSS, Natália Lima explica que o casal conheceu a possibilidade de apadrinhamento por meio de uma amiga. E, desde então, passaram a ajudar o lar e, após obter autorização judicial da Vara da Infância e Juventude de Santana (AP) em 2019, começaram a apadrinhar a Cláudia. “Quando conhecemos o programa de apadrinhamento, eu e meu esposo imediatamente tivemos uma conexão e sentimos a vontade de apadrinhar uma criança. Desde que vimos Cláudia, acho que por uma ação divina, logo pensamos em apadrinhá-la.”

“A Cláudia hoje é uma pessoa que podemos dizer que é um exemplo de menina, pois nossa relação com ela foi sendo fortalecida de maneira sólida e podemos acrescentar muito do nosso conhecimento e experiências para ela e ela sempre foi receptiva aos nossos cuidados”, afirma o padrinho Jackson Pereira, técnico em edificações do IFAP.

Quem também gostou muito da nova integrante da família foi o pequeno Isaque, que sempre sonhou em ter uma irmã ou irmão. “Quando ela chegou passamos a ter muitos dias legais e eu fiquei muito feliz quando soube que ela ia morar com a gente, porque a gente montou uma nova família.”

Evolução

A juíza Larissa Antunes, titular da unidade do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP) em Santana, acompanhou o período de acolhimento de Cláudia no Abrigo Casa Marcelo Cândia (antigo Lar Betânia). E percebeu como sua vida foi modificada a partir do cuidado que o lar ofereceu. Mas, segundo ela, o convívio familiar foi fator determinante para a evolução da jovem. “Dentro do Lar, ela teve acesso a educação formal, a cursos profissionalizantes e se preparar para as próximas fases da vida, mas a referência familiar que teve com os padrinhos teve um papel fundamental para que ela se tornasse uma menina empoderada.”

O apadrinhamento afetivo é voltado para crianças e adolescentes em situação de acolhimento, com o objetivo de promover vínculos afetivos seguros e duradouros com pessoas da comunidade que se dispõe a serem padrinhos e madrinhas.

Fonte: TJAP

Foto: Flavio Lacerda/TJAP

Mais notícias