27 de junho de 2022
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

JUSTIÇA - 15/04/2022

Médico acusado de morte e retirada ilegal de órgãos de criança mineira será julgado em

Ouvir a matéria:
Médico acusado de morte e retirada ilegal de órgãos de criança mineira será julgado em

Garoto caiu de uma altura de dez metros, e teve exame que constatou a morte cerebral forjado

Será julgado nesta segunda-feira (18), em Belo Horizonte, o médico Álvaro Ianhez, um dos acusados pela morte e retirada ilegal de órgãos de Paulo Veronesi Pavesi, em abril de 2000. À época com 10 anos, ele caiu de uma altura de dez metros, e teve o exame que indicou a morte encefálica forjado para a remoção dos órgãos. O caso aconteceu em Poços de Caldas, no Sul de Minas.

O julgamento deveria ter acontecido em outubro do ano passado, mas foi adiado depois que o réu dispensou os oito advogados que atuavam na defesa. Desta vez, estarão na audiência um defensor público e um outro advogado. Ianhez teve também um pedido de habeas corpus negado no dia 1º de abril.

Em janeiro deste ano, outros dois médicos, José Luiz Gomes da Silva e José Luiz Bonfitto, foram condenados a 25 anos de prisão. Já Marcos Alexandre Pacheco da Fonseca foi absolvido pelo júri. Outros três profissionais chegaram a ser condenados em 2014, mas a sentença foi anulada dois anos depois.

Entenda o caso

Segundo o Tribunal de Justiça do Estado, Álvaro Ianhez, após contato do acusado José Luiz Gomes da Silva, passou a auxiliá-lo nos procedimentos em relação à vítima, o que é proibido por lei. Durante as 24 horas em que ficou no hospital até a declaração da morte cerebral, o menino recebeu medicamentos diversos, foi submetido a longa anestesia geral e recebeu doses excessivas de Dormonid, um forte sedativo.

A denúncia aponta ainda que o garoto não recebeu atendimento por toda a noite do dia 20 e manhã do dia 21 de abril de 2000, quando apresentou grave hipotensão sistólica. Os médicos acusados sabiam que ele era um potencial doador de órgãos, e trataram do assunto antes da morte ser confirmada.

Álvaro Ianhez também participou de todos procedimentos de constatação de morte encefálica, e ministrou medicamentos para a manutenção dos rins da vítima para transplante. O garoto ainda estaria vivo no momento em que os órgãos foram retirados, e segundo o exame de corpo de delito, os exames que comprovariam a morte causaram lesões que agravaram o estado de saúde dele.

Todos os acusados negam as irregularidades apresentadas na investigação.  
Por Radio Itatiaia

Mais notícias