03 de junho de 2020
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

JUSTIÇA - 14/03/2020

Contribuição Previdenciária tem novas alíquotas

Contribuição Previdenciária tem novas alíquotas

O cálculo da quota dos segurados (empregados, trabalhadores avulsos) sofreu mudanças a partir de 1º/03/2020, por força das disposições veiculadas pela Reforma da Previdência introduzida pela EC nº 103/2019.

Conforme o Anexo III da Portaria da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho nº 3.659/20, a partir desse mês, passam a valer as seguintes faixas:

7,5% para Salários-de-contribuição até R$ 1.045,00;9% para Salários-de-contribuição entre R$ 1.045,01 até R$ 2.089,60;12% para Salários-de-contribuição entre R$ 2.089,61 e R$ 3.134,40;14% para Salários-de-contribuição entre R$ 3.134,41 até R$ 6.101,06

 

Outra mudança é que as alíquotas acima serão aplicadas de forma progressiva. É que, até a Reforma, a aplicação era cumulativa, enquanto agora as alíquotas serão aplicadas de forma parecida à sistemática do IR, ou seja, incidirá “cada alíquota sobre a faixa de valores compreendida nos respectivos limites”, como determina o art. 28, §1º c/c art. 36, I, da EC 103.

Assim, se antes um salário de R$ 6.000,00 sofria a incidência de uma única alíquota de 11% sobre o seu respectivo montante total, com as mudanças, passará a sofrer a incidência de quatro alíquotas: 7,5% sobre o valor não superior a R$ 1.045,00; 9% sobre o montante de R$ 1.044,61 (diferença entre R$ 2.089,60 e R$ 1.045,01); 12% sobre o montante de R$ 1.044,79 (diferença entre 3.134,40 e 2.089,61); e 14% sobre o valor de R$ 2.865,59 (diferença entre 6.000,00 e 3.134,41).

 

Tais Bittencourt é sócia do escritório Mota Fonseca AdvogadosTais Bittencourt é sócia do escritório Mota Fonseca Advogados

 

Essas mudanças afetam diretamente os trabalhadores, que poderão pagar mais ou menos impostos a depender do valor do salário. “Na medida em que alteram a base de retenção previdenciária sobre sua remuneração e, consequentemente, o valor líquido a receber, podendo implicar numa carga tributária um pouco menor aos que ganham salários próximos à primeira faixa e num incremento no encargo previdenciário para os que têm salários maiores” afirma a advogada Tais Bittencourt, especializada em Direito Tributário e Previdenciário.

As novas alíquotas demandam atenção dos empregadores, responsáveis pela retenção/recolhimento do tributo dos seus funcionários. “As empresas precisarão parametrizar seus sistemas internos de folha de pagamento de acordo com o novo regramento e atentar para eventuais ajustes demandados pelos sistemas de reporte de informações ao Governo (como é o caso do e-Social), evitando falhas na apuração do líquido a pagar aos seus empregados e da contribuição dos segurados, que lhes compete recolher aos cofres públicos, além de potenciais inconsistências no conteúdo das declarações ao Fisco”, alerta Tais. BAHIA.BA

Enquete

Você acredita que teremos uma vacina contra o Coronavírus (COVID-19) neste ano de 2020?