04 de junho de 2020
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

FEIRA DE SANTANA - 04/03/2020

Camelôs reclamam que valores de boxes no Shopping Popular são abusivos

Camelôs reclamam que valores de boxes no Shopping Popular são abusivos

Os camelôs que trabalham no centro comercial de Feira de Santana realizaram mais uma manifestação na Câmara de Municipal de Vereadores na manhã desta terça-feira (3). É a segunda, nesta semana.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Além do prazo que eles consideram curto para realizar a transferência para o Shopping Popular, eles alegam que os valores cobrados pelo metro quadrado dos boxes são abusivos.  A vendedora ambulante Fabíola Maia que trabalha com confecções na Sales Barbosa há 16 anos, considera inviável a transferência dos camelôs para o Shopping Popular até o dia 30 de março. De acordo com ela, ainda falta a finalização dos sanitários da obra e outros ajustes. Ela também declarou que o metro quadrado dos boxes custará R$80 e muitas pessoas não tem condições de pagar essa taxa.

“O valor é abusivo. Tem pessoas ali que trabalham com panos de prato, desinfetantes, consertando relógio, consertando alicate e não tem condições de pagar o valor que irá ser cobrado. O valor do metro quadrado será R$80. Ninguém tem condições de pagar e estamos querendo uma renegociação para que abaixe esse valor, para que nós possamos trabalhar. Nós queremos tributos municipais como se paga em outros e outros lugares. Uma taxa que seja digna para cada pai e cada mãe de família”, declarou em entrevista ao Acorda Cidade.

Fabíola salientou que as manifestações realizadas pelos camelôs têm como objetivo chamar a atenção e pedir o apoio da sociedade e dos vereadores para mudar essa situação.

Sobre o prazo de transferência até o dia 30 de março, ela opinou que acredita que até esta data a obra não estará finalizada e não há condições de todos os camelôs serem removidos para o local.

Secretário Borges Júnior (Foto: Paulo José/Acorda Cidade)

O secretário de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, Antônio Carlos Borges Júnior, esclareceu em entrevista ao Acorda Cidade que o prazo para a entrega das chaves do dos boxes do Shopping Popular foi estendido, e ainda faltam alguns ajustes a serem feitos na obra, mas a previsão é que a transferência dos ambulantes inicie no fim do mês de março.

Segundo ele, os valores cobrados pelos preços dos boxes foram definidos em contrato entre a prefeitura municipal e o Consórcio Feira Popular, mas quem define o tamanho do box é o próprio ambulante.

“Mais de 1.200 ambulantes assinaram o contrato conosco. Alguns já estão fazendo as adequações internas dentro de seus boxes porque entendemos que esse período agora de transição é muito importante para que quando chegar o mês maio que é uma data importantíssima o mês do dia das mães e o período do São João, o ambulante possa realizar suas vendas. Nós estamos já notificando e também já baixamos uma portaria dando um prazo pra que essas pessoas comecem a se preparar para a sua relocação e nos colocando a disposição de cada ambulante para que a gente possa ser facilitador, colocando caminhões, guinchos e pessoal. Então nós estaremos colocando uma equipe na rua para que a gente possa dar essas possibilidades a esses ambulantes e. O metro quadrado do box é R$80, valor que foi estipulado pelo edital e pelo contrato entre a prefeitura municipal e o Consórcio Feira Popular, mas nós sempre colocamos para os ambulantes que quem vai definir o box. Estamos abertos ao diálogo para quem quiser vir
a secretaria ajustar o valor de acordo com a sua capacidade financeira” , declarou.

O Shopping Popular ainda não está pronto, porém a prefeitura deu 30 dias para os camelôs deixarem as ruas. (Fotos: Paulo José/Acorda Cidade)

Com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade./DILTON COUTINHO

Enquete

Você acredita que teremos uma vacina contra o Coronavírus (COVID-19) neste ano de 2020?