17 de outubro de 2019
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

ENTRETENIMENTO - 09/08/2019

Padre Fábio de Melo abandona redes sociais após ataques

Padre Fábio de Melo abandona redes sociais após ataques

Conhecido por suas tiradas engraçadas nas redes sociais, Padre Fábio de Melo anunciou nesta sexta-feira (9) sua despedida do Twitter, após a repercussão de um post onde criticava o indulto de Dia dos Pais dado a Alexandre Nardoni, condenado por matar a filha, Isabella Nardoni.

O religioso que é seguido por mais 7 de milhões de pessoas na rede social, revelou que o Twitter já não estava mais fazendo bem a ele, que sofre de depressão e síndrome do pânico.

“Meus queridos, vou ficando por aqui. Tenho uma saúde emocional a ser cuidada. Sei o quanto já provei a solidão provocada pela depressão, pelo pânico. Tomar remédios só faz sentido quando evitamos os gatilhos dos desconfortos. Este lugar deixou de ser saudável pra mim. Obrigado!”. BAHIA.BA

Nunca tive dificuldade com as diferenças. Aliás, o meu ministério sempre foi exercido entre elas. Mas a dialética, um dos movimentos que nos permitem o acesso à verdade, vem gradativamente sendo substituída por acusações e julgamentos.

1.243 pessoas estão falando sobre isso

O Twitter sempre foi um lugar de encontro. A Àgora dos nossos tempos. O ponto de reunião improváveis. Falei e fiquei amigo de quem não passaria na porta da minha igreja. Foi bom.

1.244 pessoas estão falando sobre isso

Na ocasião, o padre foi duramente criticado por ser contra a saidinha de Alexandre Nardoni. Em um tweet o religioso citou que o preso só deveria ter direito ao indulto no Dia dos Finados.

Devido ao tweet considerado polêmico por alguns internautas, o padre passou a ser chamado de justiceiro e desonesto. “Desde ontem, quando expressei minha indignação sobre a “saidinha”, estou sendo acusado de justiceiro, desonesto, desinformado, canalha e outros nomes impublicáveis. Só reitero. Já atuei na pastoral carcerária. Sei sobre a necessidade da ressocialização dos presos”.

Eu apenas salientei sobre a justiça não ser capaz de preservar, para os que sofrem suas perdas, o simbolismo das datas, libertando os responsáveis pelas mortes de seus entes queridos. Só isso.